Buscar
  • Mara Carneiro

Hábitos em tempos de crise - Yael Barcesat

O estado das coisas

Dentro das casas, os desafios de ficar vinte e quatro horas com os residentes ou ficar sozinho o dia todo, com nada mais que contatos online, se alternam. É o momento em que procuramos manter a regularidade de nossos costumes e reproduzir as sensações do mundo conhecido no terreno virtual. Mas é como tocar uma música composta para o piano na guitarra elétrica: pode parecer ótimo, mas desperdiça um pouco o potencial da guitarra. Hoje em dia, sinto que estamos tentando entender a linguagem da guitarra elétrica e compor algo específico para esse instrumento.

O mundo está subitamente dividido entre aqueles que estão com mais tempo, lutando com o tédio, e aqueles que têm muito mais trabalho do que antes. À medida que os dias passam, um terceiro tipo aparece: os do primeiro grupo que procuram passar para o segundo, por necessidade ou entusiasmo, aprendendo os rudimentos do mundo digital para continuar entregando seus frutos.

Relacionamentos à distância em um ambiente hostil parecem capazes de eliminar o supérfluo, a medula de um elo permanece. Por outro lado, as relações daqueles que vivem em comunidade, estreitadas pela convivência, mostram o pó, a mediocridade da repetição, a soma de pequenos inconvenientes, que anteriormente não era necessário compartilhar.

Esses espaços de mudança entre os corpos nos lembram que nada é como antes. Há uma contradição entre a amplitude do espaço externo e a estreiteza dentro da casa.   Descobertas   O que restará dessa quarentena? Mais do que não conseguir voltar à normalidade, eu ficaria aterrorizado com um retorno inconseqüente à inércia particular de nosso mundo. Então comecei uma lista do que estou aprendendo, uma lista poética como as de Sei Shonagon, uma senhora da corte japonesa que, no século 10, confidenciou suas impressões ao seu diário particular.

Isso me ajuda a assumir um compromisso, um ponto no tempo e no espaço, para que as atividades do dia girem em torno desse ponto. Tem que ser algo relevante, magnético, que você não queira adiar, porque assim o universo está organizado.

Por que não me deixar levar pela corrente, por que não deixar o dia e a noite derreterem como ondas no mar e os ritmos predefinidos desaparecerem? Eu acho que se isso puder ser feito com felicidade, vá em frente. Bem-vindo a entrega, mas não se isso me impedir de lançar as bases do que está por vir agora. Minha situação financeira, meus relacionamentos emocionais, minha capacidade de participar ativamente da sociedade, meu estado de saúde, tudo o que está em jogo agora. Eu me preparo para que nada volte a ser como antes.

Os espaços físicos têm uma personalidade, que pode mudar tanto quanto uma pessoa. É possível reconfigurar essas conexões, apenas é necessário gerar novas experiências para preencher a memória material de um local.

Estou tentado a planejar, mas tenho que estar de bom humor, em um dia claro. Então, posso imaginar o cenário mais pessimista com grandes chances de encontrar soluções.

Muita criatividade pode ser empregada nos interstícios das conexões virtuais. Muito amor pode ser dado e recebido, mesmo sem nenhum contato físico. Vamos nos preparar para desenvolver nossos outros sentidos na manga, como aqueles que perdem o uso da visão ou da fala.

A comunicação online produz um tipo especial de fadiga, que não desaparece com as horas de sono. Parar de pensar é a água perfeita para se hidratar em longos dias virtuais e não precisamos esperar até ficar com sede.

Carpe diem: No momento, só me preocupo com esse dia, no máximo esta semana. Todas as noites celebramos uma vitória: tendo vivido mais um dia ao sol, compartilhando o bem, muito ou pouco. Carpe diem, mas visando que soluções para os problemas de hoje possam ser novos bons hábitos para amanhã. As perguntas que eu me faço e que jogo no universo   Cada dispositivo produz uma sensibilidade e um tipo de percepção. Como estamos participando desse processo, o que estamos aprendendo?

O que de diferente hoje em nossa vida será incorporado como um hábito, o que acontecerá para integrar nosso folclore e permanecerá no futuro ligado à tradição e não a um propósito utilitário? Como podemos modular isso, intervir voluntariamente nisso?

O que podemos fazer aqui neste ambiente, com esses dispositivos, que não podemos fazer em nenhum outro lugar?   Paul Preciado escreve:

“Permanecer vivo, permanecer vivo como um planeta, contra o vírus, mas também contra o que pode acontecer, significa implantar formas estruturais de cooperação planetária. Como o vírus sofre mutação, se queremos resistir à submissão, também devemos sofrer mutações.”
25 visualizações

changemakers@derosemethod.org

Entre em contato por WhatsApp

DeROSE Changemakers
created by Fernanda Navas